Blog Um Ser Pensante

expondo o que pensa e sente, enquanto vive...

fixo

Jogos Vorazes, A Esperança — dá o que pensar

Jogos Vorazes: a sociedade do entretenimento personificada em uma mistura de Galvão Bueno com Sílvio Santos
Jogos Vorazes: a sociedade do entretenimento personificada em uma mistura de Galvão Bueno com Sílvio Santos

Nem tudo está perdido no mundo das sagas adolescentes e do cinema de consumo. “Jogos Vorazes”, ao menos na minha opinião, tem muitos elementos que dão o que pensar.

Me lembro de quando fui assistir o primeiro filme da série “Jogos Vorazes”. Mentalmente, logo associei o título com o terror e, principalmente, a inteligência de “Jogos Mortais” (ao menos até o III ou IV). Então, o triângulo amoroso adolescente logo me decepcionou.

Mas, apesar deste ingrediente, haviam coisas que valiam a pena prestar atenção em Jogos Vorazes, das quais só me toquei dias depois (algumas cenas ficaram na minha cabeça). Existe uma trama política e uma crítica social na história dos distritos e da Capital: chama a atenção, por exemplo, a cena onde Peeta destaca o fato de que, em meio àquele luxo todo da Capital, os convidados da festa vomitem a comida para poderem comer mais, enquanto nos distritos se passa fome.

Presidente Snow: esperança na medida certa para manipular a massa
Presidente Snow: esperança na medida certa para manipular a massa

Existe também uma crítica à sociedade do entretenimento — personalizada no apresentador do espetáculo, que me lembra uma mistura de Galvão Bueno com Sílvio Santos –, ao uso dos jogos vorazes como uma tática de distração. O Presidente Snow usa tais jogos com o objetivo de que a esperança do povo em uma vida melhor não se torne revolta contra a Capital, mas que essa energia seja canalizada na torcida pelo seu distrito nos jogos. Foi impossível para mim não pensar nos nossos “reality shows” (Big Brother Brasil etc.) e, ao mesmo tempo, fazer uma analogia com o filme “Gladiador”, onde o mesmo tipo de crítica está presente.

Enfim, eu acho que Suzanne Collins foi feliz em sua estratégia de usar a fórmula de romance adolescente, aproveitando-se a popularidade das modinhas tipo “Crepúsculo”, para colocar temas relevantes na estória. Conseguiu inserir um pouco de conteúdo na literatura/cinema de consumo.

Desde o primeiro “Jogos Vorazes”, a partir da vitória dupla de Katniss e Peeta, há uma tensão em torno da eficiência dos jogos vorazes como ferramenta de estabilidade política de Panem. É interessante acompanhar como essa estabilidade, pela própria natureza do sistema, fica vulnerável às ações de Katniss; e como o presidente Snow age para manter o sistema em equilíbrio (e o seu poder sobre Panem).

O segundo filme possui cenas fortes, como a execução de um trabalhador de um dos distritos por evocar o sinal da revolução e o assobio que Katniss “gravou” nos tordos; bem como a punição a chicotadas sofrida por Gale.

Jogos Vorazes: execução de um morador dos distritos
Jogos Vorazes: execução de um morador dos distritos

Estes são apenas alguns motivos que me levaram a não esperar pelo lançamento do terceiro filme, mas correr atrás do livro para saber logo como a estória termina. Eu não vou contar o final, isso é certo, hehe! Vou deixar aqui apenas alguns pontos para atiçar a curiosidade — há de se lembrar que o terceiro livro foi dividido em dois filmes.

O 13º distrito, que não “desapareceu”, exercerá papel central, rebelando-se contra a Capital e iniciando uma guerra de verdade. Porém, esta guerra não se dará “somente” no campo militar, mas também será uma guerra de propaganda. Katniss, antes símbolo da revolta contida, agora será usada como símbolo da propaganda de guerra. A ela caberá “estrelar” as peças de propaganda do distrito 13, encorajando os combatentes, desafiando e minando a imagem de poder da Capital.

Mas, claro, sua personalidade forte não deixará que ela se contente apenas com isso. Com a ajuda de aliados do Massacre Quaternário, ela vai também à guerra real.

Todos sofrerão muito, Katniss, Peeta, Gale… a começar pela rígida disciplina do 13 (que não ficou explícita no filme), em contraste com o esbanjamento reinante na Capital. A guerra também é cruel para todos. Fiquei com a impressão de que, pelo menos nessa terceira parte, o livro ficou muito mais sério do que o filme.

Que bom que eu li :)

Faça o download do e-book Jogos Vorazes: A Esperança no meu artigo Jogos Vorazes, A Arte da Guerra e mais três livros que li em 2014

Até mais,

um ser pensante.

0 comments