Blog Um Ser Pensante

expondo o que pensa e sente, enquanto vive...

fixo

Carnaval nazista em documentário da BBC

Olá,

Muitos de vocês devem conhecer este famoso comentário da jornalista Rachel Sheherazade sobre o carnaval, que entrou pra lista dos clássicos da internet e que lhe revelou na afiliada do SBT em que trabalhava, na Paraíba, para a linha de frente do jornalismo da mesma rede — com direito a todas as honras, apresentações e elogios do próprio Sílvio Santos em seu programa. Se você não viu esse vídeo ainda, assista-o ao lado, é curtinho e vale a pena – muito polêmico!

Bom, eu, por mim, não tiro uma vírgula do que ela fala neste vídeo. Compreendo que as pessoas precisem se divertir, extravasar etc e tal, mas pra mim a relação custo x benefício não compensa — não sei em valores financeiros, mas certamente em valores humanos. Desde a censura à muita música e artista de qualidade em prol das “modas do verão” até os excessos de bebida e todas as suas consequências (brigas, trânsito, lixo…), Rachel Sheherazade aborda diversos fatores negativos dessa tradição que, de popular, resta muito pouco.

Um carnaval nazista?
Um carnaval nazista?

Pois bem.

Estava eu, assistindo tranquilamente a uma série de documentários da BBC, “Nazismo, um Alerta da História” (“The Nazis, a Warning from History”), quando, de repente, no segundo episódio, me deparo com um trecho que, ao menos pra mim, foi impressionante.

Ao relatar os acontecimentos entre a subida de Hitler ao poder e o início da II Guerra Mundial, de repente começam a aparecer imagens de um desfile… a céu aberto… carros alegóricos… com mulheres semi-nuas… gente fantasiada… ei, peraí?! Isso não está familiar demais não?!

Veja no vídeo abaixo:

Pois é, guardadas as proporções, e à parte as diferenças culturais e de época… isso é praticamente um carnaval nazista, concorda?! O mesmo colorido, carros alegóricos, “exemplares de beleza feminina”, fogos de artifício e muita festa para celebrar a suposta superioridade da raça ariana!

E o carnaval do Brasil? Seriam as semelhanças meras coincidências, ou será que também não estamos “celebrando” algum tipo de superioridade? Seria a super-raça dos modelos e símbolos sexuais, dos burgueses que podem pagar para desfilar no topo de um carro alegórico, que podem investir tempo e dinheiro com lasers, silicone, academia, cirurgias plásticas e o escambau para manterem a aparência de seres superiores?

Bom, fica o alerta para nossa reflexão.

Um abraço e até a próxima.